Aniversário do Cabaret nessa quarta, 30/11

Nosso inferninho preferido da cidade está chegando ao 19º aniversário. E pra comemorar em grande estilo tem festa nessa quarta, 30/11.


Com coquetel pra convidados a partir das 22h, a festa abre pro público à 1h. E o line up será composto, obviamente, por integrantes das melhores festas da casa, com participação VooDoo. Oster representa pra botar todo mundo pra groovar.

Tu podes enviar nomes pra lista da festa aqui, com o ingresso saindo por 10 mangos. E aproveita a dose dupla até as 2h, combo cortesia, lançamento de espumante… É, no inferninho do sobrado lilás da Independência nº 590 nunca se brinca com fogo, e mesmo numa quarta-feira vai rolar função quente! E safada…

Saudemos o aniversário da casa que abraçou nosso projeto desde o início, possibilitando a formação desta bela família VooDoo!

 

Aniversário da Ipanema FM neste domingo

Neste domingo, 27/11, rola o Aniversário de 28 anos da Ipanema FM, com 12 horas de som no Anfiteatro Pôr-do-sol.

Serão diversas bandas e discotecagens, além de atrações como air guitar (com sorteio de guitarra!) e tatuagens. Com início pras 10 da manhã, indo até 22h, a festa ainda vai ter encerramento com mais dois shows no Bar Opinião (parceiro na comemoração de aniversário), após o término à beira do Guaíba. A VooDoo integra a programação, selecionando o som nos intervalos de alguns shows, entre 13h e 14h30, aproximadamente.

Compõem o cronograma bandas como Graforreia Xilarmônica, Tonho Crocco + os burraldos da Funkalister, Tequila Baby, MV Bill, Bidê ou Balde, Wander Wildner, além de mais discotecagens e apresentações nos intervalos. Em função do evento, informamos que não haverá Programa VooDoo nesse domingo, pois a festa vai ser transmitida diretamente nas ondas da rádio, das 10h às 22h, incluindo a nossa faixa de horário. Confere a programação completa no site da Ipanemahttp://ipanema.uol.com.br/festa28anos/

É aniversário da Rádio dos Loucos! A única que proporcionaria uma dessas: dia primaveril na beira do nosso querido lago, muito som de qualidade e entrada franca! Francamente, só chegar!

Ah, e um toque importante: haverá recolhimento de brinquedos pra colaborar com a campanha de Natal da Univias. Então leva teu Pogobol velho, teu Pega-Peixe em desuso, teus carrinhos de controle remoto guardados e tuas Barbies já idosas pra ajudar a fazer feliz mais crianças nesse Natal, certo? 😉

 

Fotos da Noite VooDoo com a banda VITÓRIA RÉGIA

Tivemos outra Noite VooDoo histórica no último dia 18, no Opinião. A banda VITÓRIA RÉGIA, base de Tim Maia desde meados dos anos 70 até 98, com sua morte, apresentou um set repleto dos grandes sucessos do síndico e empolgou o público. Confere as fotos da Isadora Lescano e do Rafael Cony no álbum do nosso Flickr.

Compondo uma verdadeira big band, os músicos foram se substituindo ao longo dos anos, e nem todos eram integrantes do grupo original da época de Tim. Mas a mistura ideal da pegada do soul à ginga da música brasileira era aquela velha conhecida das últimas décadas, emocionando todos ali presentes.

Encorpando os ingredientes da noite, Gê Powers formou a discotecagem com Oster, nas comemorações dos seus 40 anos de black music. Doses fortes de emoção e honra pra VooDoo na mesma noite.

 

E é daquele jeito, agradecemos a sintonia, a parceria incondicional dos que acompanham as produções da VooDoo. Ficamos extremamente felizes com aquela alegria radiante, demonstrada nos sorrisos e nas conversas. E assim, com a ajuda e a colaboração de todos, seguimos o barco, pois tem muito mais pela frente.

O ano ainda não acabou. Tem o último ritual de 2011, dia 11/12.

E uma noite de Natal realmente especial vem por aí. Damos a dica: fiquem em Porto Alegre! Pra todos que foram bons meninos esse ano… vai ser o momento de ir à desforra numa noite verdadeiramente quente e safada.

Aguardemmm!

 

“Alô, Vitória Régia!”

Foi em 1976, após regressar do Universo em Desencanto desiludido, que Tim Maia rebatizou a famosa Seroma, sua banda base havia anos. Foi por sugestão de Paulinho Braga, seu baterista, grande admirador da banda 103rd Street, o nome Vitória Régia. Era a rua da sede dos ensaios e encontros. O curioso é saber que o nome Seroma – usado para a banda e para a sede – surgira de uma abreviação do seu nome de batismo, Sebastião Rodrigues Maia. E mais ainda perceber que Seroma invertido vira “Amores”… Enfim, folclore é o que não falta na história de Tim Maia.

Era um momento de mudanças profundas. De retornos, também. Tim, que havia largado todos os vícios em sua “época Racional”, e pregado a favor desses dogmas, irritou-se, desencantado (com o perdão do trocadilho) com o que aprendera na seita, e mandou tudo às favas. Acusou seu então mestre Manoel Jacintho de ser ladrão, pilantra e tarado, voltou a beber, fumar seus “bauretes”, comer carne sangrenta, queimou suas roupas brancas… Entregava-se novamente aos vícios e à vida profana. Pra sua felicidade, diga-se; e também pra alegria dos integrantes de sua banda (à época chamada até de Seroma Racional, tal a neurose de Tim), cheios daquela caretice toda por tanto tempo.

O momento era crítico, a bem da verdade. Um recomeço, sem dinheiro, sem discos, sem shows… Uma nova vida. Mas oportunidades foram surgindo, as composições e os discos também. Nessa nova fase, da Banda Vitória Régia, novos músicos aderiram à banda, outros passaram a frequentar o círculo, e o grupo foi se encorpando. O conjunto tomou ares de orquestra, contando com dois baixistas, três guitarristas, backing vocals, mais sopros… E assim Tim podia se exercitar na arte da provocação criativa, criando uma competição sadia no grupo. Debochava ao dizer, durante um show, que um baixista ou guitarrista estava tocando melhor que outro. Criticava ironicamente os negros ao dizer que “Tocando assim tu nunca vai comer uma loura”. Nesse seu método, e com sua conhecida exigência para com os músicos que o acompanhavam, a banda foi crescendo em excelência. Parava ensaios e passava a orquestrá-lo, pedindo acordes, solfejos, reclamando, pedindo de novo… Sua persistência pela qualidade de quem o acompanhava era notória, além de sua ironia. Tanto que algumas frases tornaram-se clássicos, como a “mais grave, mais agudo, mais eco, mais retorno, mais tudo!”, esta direcionada aos técnicos de som, além de inúmeras pérolas e declarações polêmicas em entrevistas.

Dessa formação, desse modelo de maestria no comando do conjunto, surgiram clássicos da música brasileira como “Sossego” (Disco Club, 1978); outras não tão populares, porém portadoras de grooves e melodias impressionantes, como “Márcio Leonardo e Telmo” (1976). Essa música, por exemplo, traz mais uma história inusitada: ela surgiu de uma visita de seus filhos Márcio Leonardo (seu enteado) e Telmo à Seroma. Uma das tantas compostas nos ensaios, com a banda. O engraçado é que Telmo era assim chamado apesar de ter sido batizado Carmelo, numa crise de dúvidas de Tim no momento do registro, ainda durante o período Racional.

Após muitas influências do soul, a onda disco do final dos anos 70 também foi incorporada à musicalidade do grupo. Tim não a renegava, e até defendia. Nessa pegada, com batida vibrante e extremamente dançante, surgiu um dos discos de maior sucesso, o Disco Club, de 1978.

 

Bom, paremos por aqui, pois histórias (musicais ou não) de Tim e sua banda são praticamente infinitas. Foram 22 anos dali em diante, colecionando momentos célebres, clássicos, lendas, também problemas, crises, excessos, processos… até a triste noite de 15 de março de 1998, quando Tim calou.


Hoje a Vitória Régia está em Porto Alegre pra Noite VooDoo no Opinião, e é imperativo participarmos de mais este capítulo. Pra VooDoo, pra Capital, e também pra banda que acompanhou Tim Maia por 22 anos, levando consigo essa história. Lendas vivas de grandes períodos do “síndico” estarão ali, contando e cantando um pouquinho disso tudo pra gente!

 

Acessa o site da banda: http://www.bandavitoriaregia.com.br/.

Aproveitando, fica aqui uma dica valiosa: “Leia… o livro… ‘Vale Tudo: o som e a fúria de Tim Maia’, de Nelson Motta. And you gonna know the truth!” 😉

Ave Tim Maia! Sua Vitória continua Régia!

 

Fotos do Ritual VooDoo 24 – The Big Boy Show

Mais um Ritual lindo demais, bonecada!

Mais um Ritual VooDoo maravilhoso no nosso inferninho, pra deixar memórias bonitas e sorrisos duradouros. Gente de todas as idades, cores, credos, tamanhos, vestimentas… gente diferente, mas todos pelo groove quente, danado e democrático da VooDoo. Nosso convidado, Leandro Petersen, saiu feliz da vida com a parceria. E com aquele gostinho de quero mais típico dos nossos rituais… E nós também, é claro.

Sua maletinha de compactos 45 RPM deu um sabor especial ao encontro. Vá saber pelas mãos de quem aquelas bolachinhas passaram, algum dia? Discos carregados com muita história. E, temos certeza, honramos seu pai; com muito orgulho. E, mais que apenas trazer os discos herdados do notório Big Boy, Leandro mostrou que sabe muito de som e que o acervo está em ótimas mãos. Na festa, um público distinto, exigente e conhecedor de música confirmou a excelência da sonzera. As fotos do Peter Krause tão no álbum do nosso Flickr atestando tudo.

Uma prova foi o final. Na realidade, a aparente falta dele. A festa dava ares de NÃO TERMINAR. E, mesmo após a partida estratégica do nosso convidado (que foi-se às 5h pro aeroporto, rumo a uma segunda-feira útil no Rio de Janeiro), a galera não abortava a missão, chegando ao extremo do Oster lançar, lá pelas 6h15, a seguinte sentença: “Pô, galera! Vamos embora! Já são mais de 6h da manhã!”. Uma vaia em resposta, com pedidos de mais som, demonstrou claramente a contrariedade da bonecada… hehehe. Já diria cumpádi Geraldito: “Essa VooDoo é DANADA!”.

Agradecemos a todos, já é praxe! E aquele muito obrigado direcionado ao novo integrante da família VooDoo, Leandro Petersen, que muito nos honrou com a presença, a parceria, a sonzera e o resgate da história. Trazendo simplesmente os primórdios da black music no Brasil, arrancar lágrimas de nossos olhos foi consequência, gente. Mais uma data pra entrar pros anais, podem crer…

Baterias (parcialmente) recarregadas, vamos em frente! Sexta já é outra data histórica pra gente e pra capital gaúcha. Dia 18 desembarca em Porto Alegre, na próxima Noite VooDoo no Opinião, VITÓRIA RÉGIA, nada mais, nada menos que a banda que embalou os grandes clássicos do Tim Maia durante grande parte de sua carreira. Encaminhando as ações pro fim do ano (e que ano!), outra edição do nosso projeto de festa + show imperdível e inigualável!

Garante teu ingresso antecipado pra não ficar de fora dessa! E nos vemos lá!
Deixando a ressaca, dessa vez, prum sábado! 😉

 

The Big Boy Show

“Hello, crazy people! Aqui fala Big Boy, apresentando a Mundial é show musical!”

Essa era a clássica abertura do radialista e disc-jóquei Newton Alvarenga Duarte, o famoso Big Boy, no programa Big Boy Show, da Rádio Mundial, no final dos anos 60. Big Boy inovou a programação e a locução radiofônica, sendo responsável por reformular a linguagem e a comunicação em rádio, aproximando-se e identificando-se com o público jovem, assim influenciando profissionais do ramo até hoje. Além da irreverência e da descontração, da criação de jargões, da inserção de sonoplastias e todo tipo de loucura, destacou-se pela intensa pesquisa musical, trazendo lançamentos e raridades do exterior, tendo inclusive conhecido e entrevistado os grandes nomes da música pop de então. Pode-se dizer, ainda, que foi um dos responsáveis pela difusão da black music no Brasil, concomitante com o crescimento do movimento black nos Estados Unidos e a explosão do soul e do funk no final dos anos 60. Nessa linha criou também o consagrado Baile da Pesada, grande festa na qual destilava seus petardos do explosivo som negro dançante que surgia e se espalhava mundo afora.

Big Boy morreu jovem. Mas seu espírito e seu legado foram eternizados; por vários motivos. Seu filho, Leandro Petersen, de certo modo deu sequência ao trabalho do pai. Herdou seu incrível acervo de aproximadamente 20 mil discos e compactos e, amante de música tal qual, prosseguiu na pesquisa e na atividade de disc-jóquei, fundando (junto com outros aficcionados do gênero, Sir Dema, Lúcio Branco e Peixinho, que trabalhou como assistente de Big Boy) a festa “Soul, Baby, SOUL!”, um dos maiores bailes funky do país, já com 6 anos de vida e grandes públicos na bagagem.

E não esquece: Leandro Petersen vai nos mostrar uma diminuta – porém poderosa – parte dessa respeitável coleção de discos nesse domingo, dia 13/11, no Cabaret! É ele o convidado do Ritual VooDoo #24 – The Big Boy Show.

Em 2003 escreveu e dirigiu um documentário sobre seu pai, “The Big Boy Show”, como trabalho de conclusão do curso de Radialismo da UFRJ, sendo exibido em diversos festivais e ganhando alguns prêmios. Eis aqui o filme, em duas partes, pra vocês conhecerem um pouco mais da história dessa lenda do rádio brasileiro. Enjoy, crazy people!

 

[18/11, sexta] Noite VooDoo com a banda VITÓRIA RÉGIA

Como apresentar a banda que segurou a base de balanços clássicos como O Descobridor dos Sete Mares, Sossego e Primavera?

Como apresentar uma banda que acompanhou o grande Síndico Sebastião Maia por cerca de 22 anos?

O que falar destes músicos depois que todas as histórias e lendas da música popular brasileira contam do quanto mestre Tim era exigente e impiedoso com quem o acompanhava em gravações e ao vivo?

A próxima Noite VooDoo no Opinião vai ser muito mais do que histórica, muito mais do que especial: vai ser antológica!!

Com uma alegria que não se pode medir, anunciamos a Banda Vitória Régia: big band de feeling e swing singular que marcou a MPB tanto quanto seu líder, e que vem a Porto Alegre para mostrar a excelência máxima na mistura de soul music e ritmos brasileiros, e também para dizer que o show não parou naquele 15 de março de 1998, quando muitos corações pararam por um breve instante.

A Vitória continua Régia e Tim continua Rei!

O groove continua o caminho, o sorriso e a alegria a mais bela forma de comunicação! Selando esta bela noite, participações surpreendentes e a discotecagem de nosso mestre e professor Gê Powers, um dos principais precursores da cena de música black no sul, com 40 anos de black music recém comemorados. Juliano Oster, residente, segue fazendo as honras da casa na chave do som!!

Venham conosco para mais uma noite de som e swing!!

 

SERVIÇO

Noite VooDoo com a banda VITÓRIA RÉGIA

Discotecagem
Oster e o convidado especial Gê Powers, comemorando 40 anos de black music

Data
18/11, sexta-feira

Horário
23h

Local
Opinião, Rua José do Patrocínio, 834 – Cidade Baixa

Ingressos
1º lote: $30
2º lote: $35
na hora: $40

Pontos de venda
Lancheria do Parque (Osvaldo Aranha, 1086 – Bom Fim)
DonutsShop (Lopo Gonçalves, 108 – Cidade Baixa)
Lojas Trópico (Shoppings Iguatemi, Praia de Belas, Total, Moinhos, BarraShoppingSul, Bourbon Ipiranga, Canoas Shopping e Bourbon São Leopoldo)


Apoios
BD Divulgação
Catraca Filmes
DonutsShop
Núcleo Urbanóide
PressXpress
Cozinha de Afrodite
Tesch Transportes
W Station

Promoção
IpanemaFM

Realização
VooDoo

 

A arte é do Felipe Guimarães.